30 de novembro de 2009

29 de novembro de 2009


Não sei porque, mas domingo é sempre um dia que me dá vontade de postar. Como o assunto da vez é sempre casamento, dia 21/11/09, tivemos 2 casamentos de 2 noivas tão opostas e tão parecidas ao mesmo tempo.

Opostas no temperamento - uma ansiosa e outra tranquila. Era uma chorando e outra sorrindo. Sim, noivas choram!!! E como choram, rs!!!!!!!! Parecidas no bom gosto, nas boas contratações, na organização, no cuidado dispensado a cada detalhe do casamento.

E é maravilhoso quando o big day termina no mesmo sorriso, com mesma intensidade, mesmo brilho no olhar, tanto da noiva quanto o nosso.

Cris e Thomaz x Fernanda e Petrus

(Mais fotos e ficha técnica www.leoneveseoswaldomarra.wordpress.com)






Me Encante

Quem passeia pelos blogs de profissionais de casamentos, certamente já se deparou com Neruda. Mesmo assim, postei. ME ENCANTE deveria estar em todos os blogs do mundo...

Me Encante

Me encante da maneira que você quiser, como você souber.
Me encante, para que eu possa me dar…

Me encante nos mínimos detalhes.
Saiba me sorrir: aquele sorriso malicioso,
Gostoso, inocente e carente.

Me encante com suas mãos,
Gesticule quando for preciso.
Me toque, quero correr esse risco.

Me acarinhe se quiser…
Vou fingir que não entendo,
Que nem queria esse momento.

Me encante com seus olhos…
Me olhe profundo, mas só por um segundo.
Depois desvie o seu olhar.
Como se o meu olhar,
Não tivesse conseguido te encantar…

E então, volte a me fitar.
Tão profundamente, que eu fique perdido.
Sem saber o que falar…

Me encante com suas palavras…
Me fale dos seus sonhos, dos seus prazeres.
Me conte segredos, sem medos,
E depois me diga o quanto te encantei.

Me encante com serenidade…
Mas não se esqueça também,
Que tem que ser com simplicidade,
Não pode haver maldade.

Me encante com uma certa calma,
Sem pressa. Tente entender a minha alma.

Me encante como você fez com o seu primeiro namorado…
Sem subterfúgios, sem cálculos, sem dúvidas, com certeza.

Me encante na calada da madrugada,
Na luz do sol ou embaixo da chuva….

Me encante sem dizer nada, ou até dizendo tudo.
Sorrindo ou chorando. Triste ou alegre…
Mas, me encante de verdade, com vontade…

Que depois, eu te confesso que me apaixonei,
E prometo te encantar por todos os dias…
Pelo resto das nossas vidas!!!

Momento brega

Fotos originais: Léo Neves
Estrago: por conta de mim mesma...



27 de novembro de 2009

Bolos das Vovós

Os bolos também entraram na onda retrô. E eu, cá do meu lado, repito: as noivas que estão se casando agora são muuuuuuuuuuuuito sortudas (já viram como adoro esse “muuuuuuuuuuuito”, kkk?). Mas, o fato é que são mesmo de sorte, porque a moda está liiiiiiiiiiiiiiiinda (adoro esse “liiiiiiiiiiiiiinda” também).

Os bolos estão totalmente “bolos da vovó”. Mais românticos que nunca, decorados com requinte bem artesanal, cara de capricho extremo, típico de amor de vó ao fazer coisas para nós, netas. Muitas vezes, até o formato adquiriu ar de desenho, esculpido cuidadosamente. Sobre as cores, o branco, claro, sempre eterno, mas os tons NUDE (ou seria nudes?), mais uma vez, absolutamente permitidos.

Sugestão bem vinda e deliciosa: bolo com recheio de sua preferência, servido com sorvete de baunilha e calda de frutas vermelhas.

Mini bolos são um charme também, mas o auge do charme são os cup cakes. Podem ser servidos como bolo principal ou podem sofisticar a mesa de café.


























22 de novembro de 2009

Flávia e Felipe – Imperador 15/05/2009

Quando pedi à Flávia algumas fotos do casamento dela, já tinha um post em mente. Porém, ao receber as fotos, me deu uma saudadinha e a vontade de falar dela... Por vários motivos.

Ela é meiga, educada, super tranquila, prática, decidida, quietinha que me dava trabalho inverso. Eu tinha que ir atrás saber se estava tudo bem com os preparativos do casamento.

O “grande dia” foi daqueles redondinhos, com tudo certinho, bons profissionais, convidados super educados, sabem aquilo que flui? Então, foi assim. E isso, por si só, já seria um presente e tanto...

Um ponto que nunca contei e agora faço questão de registrar aqui é que sou MUUUUITO GRATA à Flávia. Pela confiança e por ter feito questão de manter a Fabricar como cerimonial. O Imperador (espaço que Flávia escolheu para casar) trabalha com relação restritiva de profissionais. Lá, só trabalha quem faz parte da lista. E, numa lista em que os cerimoniais são limitados e têm cerca de uma década de existência, a Fabricar e seus míseros 4 aninhos ainda não teve oportunidade de ser inserida (ainda...percebam a pretensão da moça aqui, rs! Só faltou dizer AGUARDEM, EM BREVE ESTAREI, rs! Brincadeiras à parte, espero que seja verdade).

Voltando à Flávia, não sei exatamente como foi, mas ela já veio com a notícia de que faria o casamento lá, já havia conversado sobre o cerimonial e estava tudo certo – CERIMONIAL FABRICAR DENTRO DO IMPERADOR, SIM SENHOR (ai, que rima mal feita, kkkk! Apaguem isso da mente, kkkk.).

E foi assim nosso primeiro passo para a futura inserção na lista. Ainda não aconteceu, mas a Flávia levou nosso nome ao Imperador e fez questão de nossa presença. Foram 2 presentes – participar do casamento (maior honra, sem dúvida) e conseguir uma exceção que considero uma abertura de portas à Fabricar.

Nosso muito obrigada à Flávia e ao Imperador que nos permitiu ter Flávia como mais um presente de vida!

Fotos: Léo Neves & Oswaldo Marra






18 de novembro de 2009

Café com bouquet (post baseado num papo com nossa noivinha, Jo)

Tema que dá pano pra manga é bouquet ou afins que a noiva pode segurar ao entrar na cerimônia. Pano pra manga, não. Pra camisa toda. Tá...pra um vestidinho. Na verdade, pra uma colcha king size, eu diria. Ai, Rejane, para de gracinha, você pra criar é péssima...

Bem, voltando ao assunto principal, se eu fosse me casar segurando tudo de que gosto, precisaria me casar, no mínimo, umas 3 vezes.

Amo o bouquet tradicional. Não consegui me aderir à moda da vez que é o cascata repaginado (nome que eu mesma dei com minha péssima criatividade inata, mas que descreve bem a coisa – posso escrever coisa aqui? Sei lá... Mas, não achei outra palavra, fica coisa mesmo.). É um bouquet meio caído, como o cascata, porém com um ar mais descontraído, é isso: UM BOUQUET DESCONSTRUÍDO. Já vi alguns lindos, mas continuo preferindo os arredondados (nada muito gorducho) e alongados, com caules maiores. Gosto de braçadas também (aqueles que a noiva carrega como se segurasse um bebê). Nossa, cada vez pioro mais o texto e, para não confundir ainda mais as noivas, no fim do post, colocarei muitas imagens de lindos bouquets (lindos por minha conta, fato, porque gosto é pessoal e não há certo ou errado em gostar de um outro estilo de bouquet).











Ainda sobre o bouquet...

Uma afirmação, faço com ganho de causa. Ao usar um bouquet tradicional branco, a noiva precisa adorar e fazer questão. Branco no bouquet, além de perigoso, não se destaca, já que o vestido em geral é branco e domina totalmente a cena. Perigoso porque, se a flor vem num tom “menos” branco que o vestido, o bouquet parece encardido. E, se a flor vem “mais” branca que o vestido, aí, caos total. O vestido é que toma ar de encardido e fica todo mundo com aquele ar penalizado, tipo: TADINHA, ALUGOU UM VESTIDO QUE JÁ FOI USADO MIL VEZES (mesmo que seja novinho, sob medida, com o tecido caríssimo escolhido por você junto ao estilista também caríssimo que você contratou). Portanto, meninas, pensem bem!


Fugindo do bouquet, mas ainda a ver com o tema...

Noiva que abre mão do bouquet e adota o terço também tem seu lugar. Acho lindo. Se for um terço gigante, que vai até a barra do vestido (ou perto) e termina numa cruz escandalosa de linda, então, nem se fala. Maravilhoso!

Mas, uma tendência que (acho, críticos de plantão, eu disse acho, feeling total, nada comprovado ou lido em revistas, nada conversado com especialistas, nada com estudos de campo) tá voltando devagarinho é a noiva que entra segurando apenas uma flor. Encaixa totalmente nessa onda retrô que vivemos. Se for flor em tom nude (vide post NUDE), então, aff, arrasa total. CHIQUÉRRIMO. Neste caso, até a flor branca da Juliana Paes é bem aceita (não é possível que uma florzica de nada também vá causar o efeito encardido, né gente? Sem radicalismo). Aliás, por falar em Juliana Paes e voltando um pouquinho ao tema véu (vide post USO DO VÉU), outra onda retrô que ela usou e acho o auge do chique é o véu de rosto. É...podem rir, mas acho o máximo quando há o contraste de um vestido moderno (modernaço – termo meu que dispensa as regras do Português) x véu sobre o rosto que o noivo retira e coloca para trás ao receber a noiva. Tudo bem, tudo bem, aceito críticas, mas bato o pé na confissão. GOSTO MEEEESMO, rs!!!!!!