13 de janeiro de 2018


Sobre BVs (bônus/bonificações de vendas), comissões

Cresce um discurso perigoso. De q, se o cerimonial vende o serviço do outro, é justo q ele receba por isso. PARA TUDO! Uma premissa do cerimonial é ASSESSORAR (por isso q não deveria existir cerimonial para o mês ou dia, cerimonial é cerimonial o tempo todo, assunto p outra postagem). Assessoria é ajuda, a ajuda necessária e ofertada aos noivos. Nosso foco são os noivos, tem q ser. Mesmo q o cerimonial só indique bons profissionais, ainda assim, ele TEM q ser isento. Vamos pensar juntos:

A e B são profissionais extremamente qualificados. Ambos atendem à festa com propriedade e será um sucesso. Ambos pagam comissão a um cerimonial de quinta q se vende e se sustenta somente com o amuleto da bonificação (desculpem, não resisti à ironia, enfim, voltemos). Se A custa menos q B, o cerimonial receberá maior comissão se incentivar seus noivos a fecharem com B. O q vc acha q vai acontecer? Somos humanos, nossa impessoalidade acaba no instante em q nosso benefício próprio entra em jogo. 

É muito mais q mero moralismo. É agir no fundamentalismo da profissão.  

5 de janeiro de 2018

Fernanda e Alisson

Meu casal do Carnaval. Só quem me conhece sabe o valor disso, tamanho pavor eu tenho do ócio carnavalesco. E eles vieram, trazendo entusiasmo e minha ocupação preferida no meu sábado de Carnaval. O planejamento estava no inicinho, apenas algumas ideias, mas um carinho q já dava p ver q tornaria tudo especial. Do jeito q foi!

Adoro sintonia. Adoro qd os dois abraçam a causa com a mesma empolgação. Os dois são muito complementares, tipo colarzinho de coração pela metade, sabe, qd cada um usa uma metade e elas se completam? Assim! A analogia foi meio breguete, mas tenho certeza do tanto q deu p compreender. Queridos, apaixonados, educados, criteriosos, carinhosos, monte de palavrinhas fofas os definem. Enfeitaram, aliás abriram, meu outubro, eleito o meu mês favorito de 2017. Foi um abre-alas (por falar em Carnaval) lindo e muuuuito delicioso, diga-se. Não me esquecerei da dança com as amigas, surpreendendo noivo e convidados. Arraso absoluto! Ela fez lindo e ele, de fato, achou lindo, eu amo esses dois! Minha noiva q parecia boneca vestida de noiva. E a magreza, gente! Eita, não basta esse par de olhos claros, não? Ainda megrela e com um noivo (marido, agora) q elogia e faz olhar de apaixonado a td instante, eu hein! Condição nenhuma c esses dois. Contaminam total, alimentam, alegram. Saí numa felicidade só, cada vez q me encontrei c eles, impossível explicar.

A Nanda, fofa, q elogiava gratuitamente e, vez ou outra, aparecia outra noiva minha comentando: "-Oh, noiva Fernanda falou bem de vc no grupo!". Minha mais preciosa indicação, minha noiva q dissemina meu nome, mundo casamentício afora! Presente inusitado, q chegou de uma maneira engraçada. A amiga indicou, mas a amiga tb era noiva e se casaria menos de dois meses antes e eu não era a cerimonialista da amiga. Heeeeein? Pois é! Olha q privilégio realmente doidaço. Só posso entender como um encontro necessário. Por alguma razão do destino, esse nosso encontro precisava acontecer, trazendo sua energia, suas lições, suas risadas, seu afeto, seus instantes felizes a compartilhar. Eu precisava da luz q eles exalam, FATO! Eu agradeço ter recebido tão intensamente a luz de vcs! Adorei cada instante da caminhada, adoro o carinho q ficou, adoro cada vez q os vejo na Mário Werneck e relembro toda magia do NOSSO big day. Orgulho sem fim de chamar de NOSSO big day! Ó, já temos um novo acordo, viu: q venham as bodas!!!!!!!!!!!! Obg por serem meus!

Fotos: Samuel Gê Fotografias

























2 de janeiro de 2018

Rina e Léo

Eu conheci a Rina numa manhã de sexta-feira, dia 17/03/2017. Bizarro dar notícia com tanta precisão. Mas, num ano de pouca expectativa, "um dia feliz, às vezes, é muito raro" e eu me recordo deste dia como realmente feliz e raro. Um pouco confuso, explico logo, mas vamos por partes. Acordei, conhecendo a Rina. Moça doce, educada, alta, elegante, decidida, q mudou sua opinião sobre cerimonial (ela qse delegou o cerimonial a um pacotão de serviços do tipo tem-tudo, mas mudou de ideia a tempo de termos uma caminhada mega delícia) e me trouxe uma convivência apaixonante. Naquele instante, meu único ponto a lamentar foi não tê-la conhecido antes. Daríamos uma dupla ainda mais perfeita, com a oportunidade de ter aquele casamento desde a estaca zero. Não era marco zero, mas era O NOSSO marco zero e faríamos ser lindo  A QUALQUER CUSTO.

O dia continua e meu carro "dá um pau" q qse funde o motor. Eita, q eu não deixaria estragar aquele 17/03. Bora trabalhar de Lilly (Kombosa q a família ama!), o q tb trouxe ineditismo e diversão - era o jeito, dps do transtorno e preju c o carro. Ainda tinha uma festa surpresa a organizar naquela mesma data, dia em q um marido incrível (Alexandre, ex noivo e sempre Fabricar) presenteava a esposa (Débora) com ninguém menos q Claude Troigross cozinhando, numa festa íntima de 30 convidados (uau, como esquecer o dia?). Por fim, ainda havia casório no dia 18. Gente, quer fim de semana melhor q esse? Fazendo loucura da minha vida, do jeito q amo e desejo em tempo integral. Como me faltou essa loucura toda nos últimos 3 anos. Será q um dia volta, gente? Já nem sei...

Fato é q esse foi apenas o começo de tudo. Início de escolhas, áudios, dúvidas, afeto (muito afeto), admiração (especialmente pela calma da pessoa, eu a mil e Rina desaceleraaaaaada, sossego em pessoa, numa mineirice total). Ela dizia: "-Mas, só não falta isso, isso, isso e aquilo outro?". E eu respondia: "-Sim, só esse zilhão de itens num prazo q mal existe, tão no fim q já está, kkkkkkkk!". Ela me dando aulas da sabedoria da serenidade, rsrsrs. Rotina linda de reinício de histórias e pessoas q preenchem meus dias, como presentes preciosos, uma trajetória cíclica de sempre ver carinho entrar e tomar conta de mim, ahhh, eu amo! A Rina, do nome diferente, q trazia o João, q filho sensacional, porta-alianças mais querido da vida (parabéns, minha noiva, por educá-lo tão bem) e o Léo, noivo q conheci depois, especialmente depois de ouvir o nome, sempre com carga extra de afeto, cada vez q Rina citava.

Muito bom, sentir q a pessoa se tornou inesquecível desde o primeiro dia. Muito bom fazer parte de um dos dias mais especiais da vida dela eita, como foi! Valeu a pena conseguir a sessão de fotos de um jeito raro e único (só ela entenderá, rs) e valeu ainda mais tomar cada "patada", diria até mesmo "coice" (só ela entenderá de novo, kkkkkkkk). Por vc, vale tudo, minha noiva querida! Obg por ser inesquecível e por me proporcionar um momento raro! Quero mais dias felizes assim! Q venham muuuuitos!!!!

Fotos: Alexandre Namour