5 de outubro de 2018

Aline e Wagner

Eu a conheci  anos atrás. Era casamento da Vivi e do Emerson. Ela nem namorava. Mas, naquele instante, numa química intensa e especial, ela decidiu q já tinha o cerimonial escolhido para seu casamento. Ela era minha e eu dela, desde aquele momento. E, enquanto eu não comparecia à comemoração da primeira formatura da minha única filha e eu sentia uma dor qse insuportável por não poder comparecer, a filha de alguém me acolhia e me elegia magicamente. Eu não sei o q levou a isso. Mas, só posso entender como dedo de Deus. Num instante qd doía fundo, alguém (ela, a minha Aline) de coração do tamanho do mundo me abria os braços e me carregava no colo, mesmo q apenas em forma de energia, pois nada disso nunca foi dito, é a primeira vez q comento e sei q ela compreenderá facilmente. Coisa de energia vital mesmo. Amores q surgem e espero q permaneçam.

Ela é de uma simpatia absurda. Cuidadosa e entusiasmada. Tem um sorriso maravilhoso, o cabelo q eu queria para mim e é organizada de um jeito inusitado. A situação tá confusa e, de repente, lá vem ela, desatando cada nó e colocando ordem na casa. Faz dar certo o q parece totalmente sem norte. Consegue manter o bom humor sempre. É leve por natureza. Adorável e querida o tempo todo. Especial! Única! Doce! Jeitinho de melhor amiga e de ótima filha. Gente q a gente quer p vida da gente (como amo escrever essa frase e repetir td vez q ela simboliza plena verdade).

Q vc e Wagner se completem e sejam felizes para sempre. Q vc cuide dele como cuidou de mim, mesmo sem saber q o fazia, ao me eleger e prestar atenção em mim, num dia q eu precisava de reconhecimento ao me sentir a pior mãe do mundo. Q vc seja cuidada por ele da mesma forma, pq vc merece super. Obrigada por me fazer feliz ontem, hoje e que sejamos para sempre! Impossível finalizar, sem antes agradecer à Luzia tb, fundamental nos preparativos dessa jornada maluca q é preparar um casório. 


Fotos: Diego Filipe Photo & Vídeo


















27 de setembro de 2018

Carol - 15 anos

Se tem um trem q eu curto, é organizar festa de 15 anos. Pena q o mercado acabou mais setorizado e meu mundo não se voltou tanto às debuts. Sempre q tenho oportunidade, é pq a festa veio de alguma prévia história de casamento na família. Assim, tb foi c a Carol. O casamento da prima, com a aprovação familiar mais deliciosa, resultando no "Yes, I Do", da festa da Carol. Sei lá, mas esse evento foi qse um crush de 2018. Amei e me encantei, de um jeito muito especial, q adooooouro!

Carol é uma fofa sem fim. Sabe o q quer, segura, decidida, encantadora. Surpreende, mas na medida certa, com elegância e bom gosto. Mantém o usual, com certa pitada de ineditismo. Tem um cabelo mara, olhos de gata e um furo no queixo incrível. É firme e carinhosa ao mesmo tempo, junção q amei conviver e conhecer. Sei lá, se ela entendeu, mas a gente já tem um trato - q ela volte ao se casar. Mas fica ak o registro q pode ser na festa de 30 tb, o q chegar primeiro. Na vdd, desde q ela volte e permaneça mais um pouquinho cmg, pode ser qd for. 

Não bastasse toda fofurice, qd a coisa vem boa, é por completo. Eu nunca me imaginei uma festa de 15 anos  sem uma bela vomitada no salão. Eita, q, se não teve nem isso, preciso nem comentar q confusão passou longe. Foi só memória boa, pra guardar p sempre! A energia foi única, a Carol é unica, o tema foi único, a família toda, também única, foi minha única comemoração de 15 anos do ano e nem preciso falar q, com tanta unicidade, toda experiência se tornou TÃO SINGULAR de Fabricar. Obrigada por me conceder esse privilégio, minha doce Carol. Se eu estender o agradecimento à Jussara, essa mãe não menos fofa e querida, vc me compreende? (certeeeeza q sim). Aguardo vcs no futuro e q esse futuro esteja logo ali.

Fotos: Mariel Pelli e Foto in Foco











14 de setembro de 2018

Naiara e Francisco

Nem sei bem por onde começar. Tanta história... daria um bom filme! Qd eles vieram, a notícia q recebi é q eles não queriam, mas a Flavinha achou q valia a pena e insistiu. Qd ela me contou sobre isso, eu q resisti e perguntei se valeria a pena me encontrar com quem não tava a fim. Ela insistiu tb. GRAÇAS A DEUS! Foi nosso cupido.

A Nai chegou e ainda senti um distanciamento. Mas, voltou c Francisco e tivemos mais 3h de reunião. Foram embora, sem eu saber se seriam meus ou se abandonariam o barco. Eu mesma não sabia o q pensar. Foi intenso, cheio de interrogações, muito denso. Bateu um dicionário em mim. Medo, insegurança, ansiedade, entusiasmo, desejo, aflição, dúvida, pavor, alegria, desafio. Um mix geral, do 8 ao 80, de tds as formas e cores. Eu pensava em tudo e em nada ao mesmo tempo. Não fazia ideia se os tinha convencido de q eu seria capaz. Mas, saí com a plenitude de ter dado meu melhor. Se seria o melhor a eles, aí era outra coisa. 

Fato é q eles acreditaram em mim e em nós. A gente se disse SIM! E foi um dos melhores "sins", q eu vivi.

Ela se mostrou gentil, doce, amiga, leve, verdadeira, carinhosa. Ela me disse a coisa mais linda q ouvi: "estou muito feliz em ver a sua família (já q somos eu e Alex, casal tb) ajudando a construir a minha família". Eu nunca esqueci esse dia, essa frase e a alteração absurda no paradigma, a partir deste instante. Dali em diante, nada seria o mesmo. Eu vi corações se abrindo e sentimentos aflorarem. Eu vi poesia e ouvi canção. Eu vi o amor nascer e crescer. Os sorrisos se tornaram constantes. A confiança virou certeza absoluta. Eu conheci uma das noivas que mais verdades me transmitiram. Eu conheci um coração bom e aberto ao bem, o q é mais raro ainda. Eu vi aquele q parecia o bravo coronel se tornando o cara bacana, daqueles q a gente chama p botecar numa tarde de sol qualquer. Eu vi um novo dicionário nascer: amizade, carinho sem fim, propósito, felicidade, entrega, verdade sempre, alegria, cumplicidade, orgulho, admiração, fidelidade, muita gratidão e outros tantos conceitos q só enobrecem. 

2018 permanece um ano estagnado. Pouco mudou profissionalmente. A retomada efetiva se mostrou mais lenta do q imaginei q seria. Foi um pouco mais do mesmo q se repete há algum tempo neste Brasil varonil. Porém, se teve uma novidade boa, um presente valioso, uma surpresa inesperada, uma bela lição de vida e convivência, isso tudo foram Naiara e Francisco. A quem devo memórias eternas, encantamento, coração quentinho. Obrigada, meus amores! Vcs foram MUITO especiais. Vcs SÃO muito especiais. 

Fotos (parte 1): 
a fotógrafa mais entusiasmada da vida - Lau de Castro Fotografia 
(obrigada pelo link riquíssimo de imagens, todas lindas!)