8 de agosto de 2018

Patrícia (Pat) e Thiago

A Pat... ah, a Pat... a noiva q todos tanto queriam. Tratada numa cobiça louca e ela sempre na dela. Alheia aos paparicos excessivos recebidos por quem tem certos sobrenomes. Tão gente como a gente! Mas, como assim, tão equivalente, carregando uma beleza dessa? Como assim, sabendo crochetar? Como assim, com mãos de fadas q preparam um dos pães artesanais mais saborosos q já comi? Como assim, num bom gosto absurdo? Como assim, com tamanha sobriedade? Sei lá, "eu só sei q amei, q amei, q amei".

A história q começou anos antes, no casamento da irmã (outra linda), se estendeu até hj e deixou o desejo do eterno. A noiva q definiu a data de acordo c a agenda do cerimonial e qse matou o cerimonial de culpa, qd houve possibilidade de ter jogo do Brasil, justo no horário previsto p o casamento (ufa, nunca senti tanto alívio, qd veio a certeza do jogo na véspera). A moça q sabia o q falava, q ajudou na arquitetura do espaço onde se casou, q "layoutou" sua festa, q tomava decisões na dose certa, ponderada, mesmo c a cerimonialista frenética-over, q ama excessos visuais e emocionais, kkk. A Pat séria, qse em armadura, q, no final, mais parecia algodão, tão macia se mostrou. Aquela q admirei, criei vínculo louco, q só sei, repito, "q amei, q amei, q amei" e, como já diz a velha canção, "dei meu coração/com toda força/pra essa moça me fazer feliz". E ela fez! Fez feliz e grata. Adoro a palavra gratidão e adoro, ainda mais, sentir-me grata.

A Pat do Thiago. O noivo q conheci no dia do casamento e de quem pouco sei, mas tem uma cara de q vai fazer essa moça feliz, do jeito q ela merece e q a gente deseja. O casamento tão especial, a cerimônia q encantou, a festa sensacional, o vestido  incrível, a vista ao fundo das fotos, o dedo de Deus em tudo. Difícil explicar, talvez impossível. Fica o privilégio a quem viveu.

Obrigada ao casal! Obrigada à irmã, q deu início a tudo (e à amiga q indicou, tuuudo noiva minha, tuuudo amada, rs!). Obrigada, mãe talentosa e multifacetada. Obrigada, moça linda, pseudoendurecida, mas com entrelinhas genuínas de algodão. Q felicidade tê-los no meu mundo!

Fotos: Alexandre + Cristina Lima











30 de julho de 2018

Aninha e Adriano

Agora, sim, olha eleeeees!!!! Seus lindos!!!!

Fotos: Bruna Lamas












23 de julho de 2018

Ana Maria (Aninha) e Adriano (Sugar)

Talvez a mais maluca das histórias q tive. Já houve casais q me contrataram à distância, mas, logo em seguida, me conheceram pessoalmente. Com a Aninha, não foi assim. Ela me contratou e só a encontrei, pessoalmente, perto a um mês do casamento, tipo. Sem dúvida nenhuma, a noiva mais prática q conheci. Ela escolhia à distância, sem sofrimento, com algumas explicações, um toque de afinidade, muito critério em td, muita confiança. E o trem dava certo, de um jeito estranho e delicioso. Ela me redefiniu conceitos, dentre eles, versatilidade. E foi bem top. 

Interessante, o tal de gostar à distância. Pelo áudio do whatsapp, pelo e-mail, pelo q o outro demonstra em seu jeito de escolher, agir, portar. Ela me ensinou um pouco de maturidade e desapego, embora eu tenha me apegado total, porém de outra maneira (volta a versatilidade). Td confuso e extremamente organizado. Td possível, dentro do q parecia meio impossível. Tipo de temperamento de quem, em geral desdenha cerimonial e ela não. Mesmo mega decidida, resolvida, acostumada com festa e dona de suas escolhas, essa moça dava um valor p o cerimonial, trem marbunitimmmm. Óooootima vendedora q sou, eu dizia " - Minha noiva, vc já sabe seus desejos, pra q fechar a proposta 2, gasta dinheiro com isso não, q a minha 1 vai te ajudar o suficiente" (q vocação irritante de buscar honestidade sempre, kkk). E ela: " - O q? Já organizei festa, sei o valor de um cerimonial, de jeito nenhum, quero a 2, tô depositando". A típica noiva dos sonhos de qq cerimonial. E era minha. Foi e pra sempre será!

Ela tinha a voz forte e a personalidade tb. A fama era de brava, mas não conheci esse lado. Sei lá. Vi mais e exatidão e o comprometimento. Quem cumpre seus deveres, apenas exige q o outro o faça, isso sim, foi o q vi. O jeito de falar e a impaciência qd alguém tentava fazer alguma gracinha, me arrancaram gargalhadas, pois me vi no espelho total. E gostei, ô se gostei dela! A velocidade tb era no meu ritmo, eita q sou alucinada por gente rápida, tenho q dar uma controlada nisso. Qd encontro alguém no minha cadência, vira um samba frenético, pq deliiiiro, a gente assume cada arrancada, kkkkk. Foi sensacional e dx saudade.

A moça linda mesmo de cara lavada, q ficou ainda mais divah de noiva, com astral mega poderoso e q contamina total, com seus olhos incríveis e galo até no e-mail... a moça da entonação firme, q me trouxe firmeza na sua confiança (auto e ao próximo), q me deu lições de como maximizar o tempo e potencializar condutas... a moça q me trouxe ao menos o contato telefônico do noiva, na semana do casamento, para q eu sesse "OI, NOIVO!" e entendesse porque ele era Adriano "Sugar", q poderia ser tb, Adriano, Lord, Cool, Love e por aí vai...

Q saudade vcs deixaram, MEU casal, Aninha e Adriano! Q carinho tão grande é capaz de se formar, mesmo longe dos olhos, pq a força do coração não implica em presença física e, sim, numa energia vital louca e abstrata, deliciosa. Obg por nosso encontro nessa vida. Como não agradecer tb aquele casal lá de 2015, outros amores tb, Ana Grossi e Eduardo? Q surgiram de outro casal anterior e fizeram a corrente se prolongar, numa riqueza de felicidade q não se define, apenas se vive com a intensidade máxima q houver. Obg pela alegria q me trouxeram. Q venham muitas e tantas outras.

Querem ver a Aninha e o Adriano? Só no próximo post. Este aqui, merecidamente, leva as fotos da escolha da Aninha ao embelezar sua festa, com as mãos da MD Decoração, q, carinhosamente, mandou as fotos em dose dupla, pq a linda ak fez o favor de perder todas as suas fotos do celular, parabéns, cerimonialista (%$#*&+ grrrrrrrrrrrr!!!!). Aninha e Adriano mostram suas carinhas na próxima postagem!!!

Fotos: Léo Pedone














17 de julho de 2018

Camila e Edson Henrique

No primeiro contato, uma ligação prolongada. Eu não sabia ainda quem ela era. Estava muito confusa sobre tudo do casamento ou queria uma consultoria prévia e desapareceria em seguida? Desliguei o telefone bem desnorteada. Mas, me surpreendi qd ela reapareceu para agendar a visita. Aí, eu a conheci pessoalmente e ahhhhhhhhhhhhh, amei!

Ela chegou c o Edson Henrique. Eram 12 anos de relacionamento. Eles se respeitavam e se entendiam de um jeito leve e divertido. Entendi q se tratava de uma moça muito entusiasmada com o projeto casamento, cuidadosa com cada detalhe, exigente, linda e de bom coração. Bons corações me movem. Transformam tudo, me conquistam de imediato. Não havia mais dúvida alguma, eu queria muito chamá-los de meus. Assim começou nossa caminhada mais q especial.

Camila foi caprichando cada vez mais. Foram muuuuitos diálogos e eu amei. Foram áudios intermináveis e eu amei. Foi uma ansiedade louca e eu amei. Foi uma preocupação q encheu nossas vidas de redundâncias e eu amei. Foram muitas risadas e eu amei. Foi um monte de carinho e eu amei. Foi um respeito absurdo e eu amei. Foi uma proximidade qse diária e eu amei. E amei porque cada vez mais eu sentia q, dentro dessa intensidade toda, havia um coração do tamanho do mundo. Ela levantava nossa bandeira sempre. Ela comemorava junto cada casamento lindo q seus profissionais escolhidos executavam. Ela nos tratou como os melhores e nos fez sentir melhores do q somos. Ela foi muito singular. Ela tinha verdade na alma e trabalhava com essa verdade o tempo todo. Como eu amo pessoas verdadeiras, elas andam raras demais, viraram preciosidades. A filha única dos pais fofos (tenho fascínio por filhas únicas, pq minha Manu vive isso e sempre me sinto cúmplice nesta relação). A mãe tão querida e cautelosa com a fartura (entendi Camila na hora, com sua eterna preocupação quanto a lista. Tantas características... tanto a dizer... 

Minha flor apaixonada-amante por flores. Ela queria flores, flores, muitas flores, um sem fim de flores e assim foi. Teve seu jardim, do jeito q desejou. Trouxe ineditismo num lugar q eu achei q já tinha visto de tudo, mas não. Ainda não tinha visto daquela forma. Ainda não tinha visto com tanto brilho nos olhos como os dela brilharam. Por fim, um noivo abraçando o sonho junto, numa demonstração plena de entrega e concessão. Noivo violeiro q tocou e animou a galera. Noivo q se rendeu às famigeradas pilastras de flores. Noivo q amou como ela amou. Eles saborearam aquele dia como poucos. Pareciam completos e essa completude contaminou a todos. Me fez muuuito feliz. Q nossa intensidade se perpetue! Q nossa verdade permaneça todos os dias das nossas vidas! Gratidão? Essa, sem sombra de dúvida, já está eternizada.

Fotos: André Corrêa (Spiritolibero)



















6 de julho de 2018

Leonardo e Renato

Meus amores! Desde antes de saber quem eram, eu já os queria em minha vida. Daí, veio a oportunidade de conhecê-los e a reunião foi absolutamente deliciosa. Passou a ser missão. O objetivo, inicialmente curricular, se tornou amor à primeira vista. Desde a novidade de um casamento sem noiva, passando ao bom gosto q akl td prometia, chegando ao fascínio por cada um daqueles dois. 

Léo é deuso, olhos incríveis, qse 2m de altura. Uma energia sem fim, sinônimo absoluto de liberdade e do quero minha felicidade, azar o seu se minha conduta o perturba. É fogo e paixão, ligado no 220v, fio desencapado, prestes a um curto-circuito a qualquer hora... toda hora... Ao mesmo tempo, é todo família, tem moringa na cabeceira, faz bolo de cenoura e tem absoluto jeito de paizão q cuida da ninhada, aquela coisa bem sereninha do comercial de margarina ou de filme água com açúcar, q amamos.

Rê é um lord, elegante, viril, charmoso, carrega um ar de sabedoria e sofisticação de detonar corações e desestruturar total. É o freio, a calmaria, a paz, a tranquilidade, o equilíbrio q traz a dose certa, o tempero exato q a vida pede. Certamente, a melhor companhia, a melhor escolha, a decisão certa da vida do Léo. A proteção q amamos, o porto seguro, o abraço q aquece e acalma. 

Ah, esses 2. Ah, esses MEUS 2. Trouxeram alegria extra, emoção além, experiência nova, renovação de energia, novos ares, outros perfumes, muito mais graça. Foi muito bom cada instante e o desejo é q sejam para sempre MEUS. Q tenham a noção do carinho q sinto. Q saibam o qt sou grata por me permitirem entrar em suas vidas e dividir momentos. Eu amei noivo em dose dupla, amei a meia colorida, amei as alianças maravilhosas, amei o topo do bolo e o bolo e o bolinho vulcão da lembrancinha, amei a dança no melhor estilo La La Land, amei os votos, amei qd Rê cantou p o Léo e o Léo q, por sua vez, já tinha mencionado a mesma canção nos próprios votos, eita sintonia mais fofa. Eu amei conhecer as famílias, dizer aos pais o qt eles estavam de parabéns por aqueles filhos tão sensacionais. Eu amei até o frio na barriga, com a ameaça da festa sem flores. Eu amei o amigo q foi com a gravata estampada de flor, porque, sim, teria flor naquela festa, nem q fosse na gravata. Eu amei o entusiasmo de cada um q trabalhava num dia de mais do mesmo, só q não, nada a ver com o mesmo. Foi perfeito e eu poderia me estender sem fim.neste post. Mas, hora de guardar na gaveta do coração, lugarzinho onde tudo permanecerá para sempre.

Fotos: Agência Uai