8 de agosto de 2018

Patrícia (Pat) e Thiago

A Pat... ah, a Pat... a noiva q todos tanto queriam. Tratada numa cobiça louca e ela sempre na dela. Alheia aos paparicos excessivos recebidos por quem tem certos sobrenomes. Tão gente como a gente! Mas, como assim, tão equivalente, carregando uma beleza dessa? Como assim, sabendo crochetar? Como assim, com mãos de fadas q preparam um dos pães artesanais mais saborosos q já comi? Como assim, num bom gosto absurdo? Como assim, com tamanha sobriedade? Sei lá, "eu só sei q amei, q amei, q amei".

A história q começou anos antes, no casamento da irmã (outra linda), se estendeu até hj e deixou o desejo do eterno. A noiva q definiu a data de acordo c a agenda do cerimonial e qse matou o cerimonial de culpa, qd houve possibilidade de ter jogo do Brasil, justo no horário previsto p o casamento (ufa, nunca senti tanto alívio, qd veio a certeza do jogo na véspera). A moça q sabia o q falava, q ajudou na arquitetura do espaço onde se casou, q "layoutou" sua festa, q tomava decisões na dose certa, ponderada, mesmo c a cerimonialista frenética-over, q ama excessos visuais e emocionais, kkk. A Pat séria, qse em armadura, q, no final, mais parecia algodão, tão macia se mostrou. Aquela q admirei, criei vínculo louco, q só sei, repito, "q amei, q amei, q amei" e, como já diz a velha canção, "dei meu coração/com toda força/pra essa moça me fazer feliz". E ela fez! Fez feliz e grata. Adoro a palavra gratidão e adoro, ainda mais, sentir-me grata.

A Pat do Thiago. O noivo q conheci no dia do casamento e de quem pouco sei, mas tem uma cara de q vai fazer essa moça feliz, do jeito q ela merece e q a gente deseja. O casamento tão especial, a cerimônia q encantou, a festa sensacional, o vestido  incrível, a vista ao fundo das fotos, o dedo de Deus em tudo. Difícil explicar, talvez impossível. Fica o privilégio a quem viveu.

Obrigada ao casal! Obrigada à irmã, q deu início a tudo (e à amiga q indicou, tuuudo noiva minha, tuuudo amada, rs!). Obrigada, mãe talentosa e multifacetada. Obrigada, moça linda, pseudoendurecida, mas com entrelinhas genuínas de algodão. Q felicidade tê-los no meu mundo!

Fotos: Alexandre + Cristina Lima