14 de janeiro de 2010

Maquiagem, Maquilagem, Produção de Noiva, Make Up, Beauty...

e todos esses termos que, no final das contas, deixam minhas noivas lindíssimas e poderosíssimas!!! Rsrs!


Espero que quem leia este post me conheça há, no máximo, estourando, quatro anos e meio. Explico:

Aos vinte, vinte e poucos anos, quando ainda estudava Fonoaudiologia e achava que passaria a vida tratando distúrbios da voz/fala/linguagem (socorro!!!!), eu tinha outro (ou nenhum) conceito de beleza e de vaidade. Era incrível... incrivelmente engraçado... incrivelmente de mau gosto...

Desenhem a pessoa aqui:

– Maquiagem – zero, o que vale é a beleza natural (mas, qual beleza? Eu me pergunto hoje ao ver fotos da época), maquiagem é coisa de Patricinha fútil (só porque dispensou 15 minutos do dia e “coloriu” o rosto se torna fútil???). Bem, meu conceito (ou falta dele, repito) de maquiagem era esse.

Já que comecei, termino. Continuem desenhando:

– Roupa – jeans. Calça jeans sempre (nada contra, mas por que sempre?). Blusa, feira hippie, barraca de tops, 7, um de cada cor, alguns de duas cores, R$5,00 vezes 7 = R$35,00, um look para cada dia da semana (ainda achava que arrasava. Nesse ponto, que felicidade, kkkk! Olhem a economia da moça ak... se não fosse a tragédia visual em corpo, alma e coração). Não, não, não. Não acabou. Top, sempre??? E quando não dava para usar barriga de fora? Tchan, tchan, tchan, tchan. Eureka! Barraca ao lado, regatinha, R$8,00, só R$8,00. Comprava logo mais 7 = visu para 14 dias, sem repetir, somando tops e camisetinhas. Tadinha, kkk. Minha mãe e minha irmã, sempre mega “arrumadinhas”, me olhavam, indignadas, e eu não conseguia (não meeeesmo) compreender o porquê.

– Pés – Finalizando, com chave de ouro: sapatilhas de forró. Eu e meu marido (que era e foi meu único namorado, desde os 16 anos de idade) dançávamos. Daí, para a dança, existe uma sapatilha de tecido, tipo lona, que custava R$20,00. Mas, acho que não entendi direito que aquilo era só para dançar. Dançar = sapatilha. Almoçar fora = sapatillha. Festa = sapatilha. Dia = sapatilha. Noite = sapatilha. Ih... furou no dedão. – Tem problema, não. Vou usando, só até eu comprar outra.

Era assim... e eu era feliz, embora um “mulambinho”, kkk. Hoje, acordo no salto, maquiada em tempo integral, meu guarda-roupa tem menos jeans que vestidinhos e ainda uso brincos e acessórios, uau!!! E me sinto, talvez, mais feliz e mais bonita agora, aos 32, que aos 22...

Bem, voltando à maquiagem de noivas, em geral, recebo opiniões de dois grupos bem distintos de clientes que, aliás, me lembram bem quem eu era e quem eu sou.

Grupo 1 – as noivas que não gostam de maquiagem, querem uma cara limpa, do dia a dia, porém mais iluminada, um olhar mais sofisticado, algo que embeleze, mas mantenha toda característica natural (meu caso quando me casei).

Grupo 2 – as noivas que amam maquiagem, querem uma cara totalmente diferente do dia a dia, querem uma pintura que a transforme em obra de arte (meu caso hoje).

Mas, por que tô falando tudo isso? Porque o que considero mais interessante é que os 2 profissionais mais caros e mais requisitados de BH têm perfil, justamente, oposto um ao outro. Um atende à noiva cara limpa e outro atende à noiva pintura-obra-de-arte.

É muito interessante ver estilos tão diferentes sendo qualificados com a mesma excelência e valorizados com preços semelhantes. Portanto, meu conselho, de quem viveu na pele, é que cada noiva consiga dosar o próprio gosto (porque, não adianta, maquiagem, forte ou fraca, tem que fazer a noiva se sentir feliz, como diz uma amiga: sentir-se linda, alta e magra), no entanto, com abertura para ouvir sua mãe (leia-se figura materna, mais experiente e de confiança) um pouquinho... Se eu tivesse escutado minha mãe...

2 comentários:

Dona Perfeitinha disse...

Oi, Rejane,

Postagem perfeita. Onde está o livro de dicas pras noivinhas que vai publicar? Um grande sucesso, com certeza.

Beijos,
Talita.

Isabelle Rocha disse...

haha super me identifiquei, Re!! To quase ficando que nem vc entao...so falta o sucesso profissional, pessoal, emocional...ahhhh, ta bom, falta mta coisa! Mas eu chego la..ta sensacional o blog!!
Beijos,

Isabelle.