16 de março de 2013

Débora e Samuel

Existiria o "tinha que acontecer" ou seria somente uma frase criada pelos homens às coincidências da vida? Conheci Débora e a Maria Inês, mãe da Débora, assim. Nas coincidências da vida. Uma afinidade instantânea aconteceu em 2 minutos de encontro. Mas, por ironia do destino, o casamento da Débora não era meu e já estava comprometido a um outro cerimonial. Até que, por razões que não me convém comentar, não seria ético, tempos depois, numa data bem próxima ao casamento da Débora e Samuel, eis que aquele sábado eleito por eles estava livre na minha agenda. Destinado ao casal. Como aquelas coisas de Deus reservadas a nós. E a Débora, com sua querida mãe, me visitaram e pronto. A conversa gerou um novo laço que enfeitaria meu caminho, bem do jeito que mais amo. Yes, eu estaria naquele casamento. 

Sempre me vejo muito confortável para dizer que as noivas confiam em mim, demonstram muito carinho e me tratam muito bem. Sou paparicada demais por todas e fico absolutamente mal acostumada com essa sensação. Nesse caso, então, seria tudo isso que vivo intensamente (e curto demais) multiplicado por zilhões. Quanta confiança, quanto carinho, quanta falta de vocabulário para explicações maiores. Talvez dizer que meu coração bate muito forte toda vez que me lembro de tudo, toda vez que penso neles seja o mais perto da tradução a que eu quero chegar. Como se ele, meu coração, quisesse gritar "EI, EI, VOCÊS ESTÃO AQUI, VIU!!! MORAM NA MINHA HISTÓRIA".

Se o casal me permite uma observação extra, Maria Inês, muito obrigada. Que polidez, que doçura, que privilégio essa noiva tão linda tem em ser sua filha e, olha Samuel, eu não conheci muito minha sogra, ela se foi cedo demais, mas se eu tivesse sogra eu bem queria uma Maria Inês, viu, rsrsrs. Devo muito esse agradecimento também porque ela me trouxe a Débora e deu seu aval inicial à nossa caminhada. E aval de mãe dispensa comentários, fala sério!

Meus queridos, que venham muitos amigos, muitas comemorações, que venham as bodas, enfim, que venha a oportunidade d'eu vê-los um monte porque gosto do meu coração pulsando forte. Faço dele as minhas palavras "EI, EI, VOCÊS ESTÃO AQUI, VIU!!! MORAM NA MINHA HISTÓRIA."

Fotos: Lau de Castro



































Um comentário:

debora franco disse...

Rejane,
Obrigada pelas palavras tão lindas. Tenho por você um carinho enorme e muita admiração. Você cuidou do meu casamento com tanto cuidado, tanta dedicação e tornou o meu dia ainda mais especial. Desde o dia em que te conheci eu soube que seria você quem iria conduzir os preparativos do meu casório, a empatia foi instantânea. Torço imensamente por você e sei que o seu sucesso é mais que merecido: é consequência dessa profissional espetacular e pessoa maravilhosa que você é. Foi um presente ter te conhecido. bjinhos da noivinha Débora